A Segunda Parte é "Bio"-Orientada

Sábado, 19 de Agosto - Camarões encontrados no campo Rainbow : Rimicaris exoculata e Mirocaris fortunata. (Copyright Ifremer / Campanha Momareto 2006)

 

 

Se na primeira parte da campanha Momareto, o principal objectivo era validar os diferentes protótipos de instrumentos, para o estudo do mar profundo, a segunda parte terá como principal objectivo, o estudo dos ecossistemas hidrotermais.

Assim, uma fauna luxuriante vive em volta das fontes hidrotermais e depende dos compostos químicos, contidos nos fluidos quentes, para a sua sobrevivência. Aqui, dada a falta de luz, não há possibilidade de sobrevivência para as algas ou para o fitoplâncton. Os microorganismos substituem-nos na base da cadeia alimentar. Por um processo denominado quimiossíntese, estes microorganismos utilizam a energia química contida nos fluidos (sobretudo o sulfureto de hidrogénio e o metano) para proliferar. Eles vivem, seja em simbiose com a fauna ou em forma livre, das emissões hidrotermais.

Os cientistas embarcados vão escurtinar esta fauna, dominada pelos mexilhões da espécie Bathymodiolus azoricus e por diversas espécies de camarões, para tentar compreender a sua distribuição em voltas destes verdadeiros oásis de vida. Porque, apesar do transporte providencial de alimentação, que lhes é proporcionado pelos fluidos das fontes, estes últimos apresentam algumas desvantagens: são ácidos e carregados de compostos químicos normalmente tóxicos para a vida animal.

 

Portfolio

Descida ao longo da parede de um edifício hidrotermal activo no sítio Rainbow. Camarões e mexilhões adaptaram-se a este mundo sem luz.
Chaminé activa na zona hidrotermal Menez Gwen O emblemático Bathymodiolus azoricus recoberto de bactérias e óxidos de ferro