Borda fora !

Domingo, 27 de Agosto - Mise à l'eau des cages à faune (Copyright Ifremer / Campanha Momareto 2006 / Michel Gouillou)

 

 

Chegada do navio Pourquois pas ? ao Menez Gwen pela manhã, reconhecimento ao local anteriormente visitado durante a 1ª leg. O programa de mergulho é extenso.

É preciso mergulhar uma enorme armadilha de partículas e quatro grandes jaulas, para mexilhões. Os marinheiros incumbiram-se dos flutuadores, dos lastros e das bóias. Philippe, Patrick e Frederico observam atentamente o mergulho da armadilha e das jaulas e certificam-se que tudo tem lastro suficiente para imergir. A primeira servirá para medir o fluxo de partículas e de larvas existentes na parte activa do campo hidrotermal, durante 12 meses. As jaulas, onde serão colocados mexilhões pelo Victor, serão recuperadas em cada 3 meses para os diferentes estudos científicos, a realizar no Departamento de Oceanografia e Pescas (IMAR/DOP) na Horta.

Vincent, o Bosco (termo francês que designa o responsável pelas manobras feitas no deck de popa), faz a manobra. O cabo da armadilha de partículas, de 70 m de comprimento, é lançado à água pelo pórtico de popa. Uma hora mais tarde, as quatro jaulas para os mexilhões são igualmente lançadas a água pelo pórtico telescópico a estibordo. O objectivo do mergulho desta noite, é encontrar os instrumentos mergulhados a 800 m de profundidade. O Victor irá posiciona-los junto a uma zona activa, situada a nordeste do vulcão.

Como prometido, este é o menu da nossa refeição especial de Domingo: Terrina de salmonete com pimentas variadas, gambas “à la crème” de alho, pernil de porco e tarte de pêras com caramelo.

 

Portfolio

Mise à l'eau du piège à particules. Les oxydes de fer sont responsables de la couleur Jean-Yves et Séverine, de l'équipe Victor, règlent les caméras du robot
En tenue de travail, Frederico marque la troisième cage à moules Clac ! La dernière cage, lestée, s'enfonce doucement dans les profondeurs océaniques